27/08/2010

Igreja Presbiteriana considera "igrejas" Universal e Mundial seitas!



Queridos amigos, irmãos e leitores deste blog, não costumo postar assuntos falando desta ou daquela igreja, disso ou daquilo dito cristianismo certo ou errado, mas echei interessante este post, não por falar de outra igreja, mas sim para repensarmos acerca do que temos ouvido nos púlpitos. Deus abençoe sua leitura.



por Daniel Clós Cesar


Essa semana li que o Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil, considerou a IURD e a IMPD, seitas, e necessário é, que pessoas oriundas dessas denominações sejam rebatizadas e façam profissão de fé. Louvável o posicionamento da IPB. Há muito tempo se espera, pelo menos das grandes denominações evangélicas do Brasil, a definição do que é, e do que não é, CRISTIANISMO. A Bíblia já define bem, mas é preciso ensinar nos púlpitos. O povo cristão tem sede de ensino e exposição bíblica, algo raro até nos mais "sinceros" púlpitos deste país.

Como podemos considerar pastor cristão, alguém que não prega o Evangelho da Cruz? Como podemos considerar cristianismo algo tão contrastante com os ensinos bíblicos? Podemos considerar cristianismo algo, pelo simples fato de "crer" na Bíblia ou fazer uso dela no rito?

As grandes corporações que pregam a teologia da prosperidade, que incluem promessas de riqueza, saúde, bons relacionamentos, cura interior, libertação de demônios etc... não pregam uma coisa: a Cruz. Não o principal, mas o ÚNICO meio para a Salvação do homem. Para nós que cremos no Evangelho, trilhar os caminhos da prosperidade humana a qualquer custo tem um único fim, o inferno, lugar que caiu em desprestígio nessas denominações, que publicamente não o negam, mas o expurgam das pregações para serem continuamente agradáveis a seus clientes.

Constantemente escuto a frase: lá é um pronto-socorro! Em outras épocas eu diria... ok! Pode ser... mas meu posicionamento hoje no entanto é outro. Primeiro eu pergunto: Por quê? Quem vai lá vai atrás de quê? Falta de dinheiro, saúde, casamento arruinado? É bastante provável que a resposta se encaixe nesses quesitos ou em outros bastantes semelhantes. Creio também, que a maioria dos verdadeiramente salvos também respondem algo bem parecido. Ai faço a segunda pergunta: Não são estes desesperados, os mesmos que já foram aos centros de umbana, "tiraram" cartas e consultaram os búzios e agora estão atrás de mais uma opinião? O impressionante é que muitos se encaixam aqui também.

Chego então a uma última pergunta: Cristo: Salvador ou Solução? E a resposta é sempre a mesma: SOLUÇÃO. É aqui que diferenciamos os salvos dos não salvos.

Não buscam um salvador, buscam uma solução para satisfação de suas almas. Buscam desde um emprego a um carro novo... buscam da cura da filha soropositivo à aprovação em um concurso público... buscam de tudo... menos a Cristo... Como alguém assim pode ser considerado cristão? Como uma igreja que doutrina seus membros dessa forma pode ser cristã? Como pode alguém que odeia a cruz e não entende o seu significado ser declarado salvo? Basta "sinceridade" para alguém ser salvo?

Já é hora de pastores que pregam o verdadeiro Evangelho de Cristo condenarem esse ensino de demônios que prega de tudo, de psicologia barata à atitude positiva, mas nega o principal: a Palavra de Deus. Que distorcem a Palavra e deleitam-se em fábulas. Igrejas pastoreadas por lobos vorazes que cerram a porta dos céus impedindo que outros entrem, prometendo um céu na terra que nunca existirá.

Que este concílio da IPB possa ser um primeiro brado entre muitos outros contra as corporações da "salvação por obras", que rejeitam o sacrifício da cruz em troca de sacrifício financeiro. Que viram as costas à Cruz e voltam-se para o deus riqueza.

Ame Geral!

Fonte: Genizah

Porque eu não me aceito?



Por Maurício Arruda

Romanos 7

19 Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço.
24 Miserável homem que eu sou! quem me livrará do corpo desta morte?
25 Dou graças a Deus por Jesus Cristo nosso Senhor. Assim que eu mesmo com o entendimento sirvo à lei de Deus, mas com a carne à lei do pecado.

Estas passagens são maravilhosas aliás, toda epístola de Paulo aos Romanos é desafiadora e aprendo muito a ler e reler esta epístola.

Existe um grande problema em nosso meio, e me incluo nisso. Quantas vezes nos questionamos se somos ou não bons cristãos, se estamos fazendo o certo ou errado, se de fato estamos sendo uma benção nas mãos do Senhor e para o próximo?

Não existe nenhum problema em fazer esta auto-análise. O grande problema está voltado à aceitação. Nós temos o péssimo costume de não nos aceitarmos, é incrível... Quer um exemplo explícito disso?

Quantas foram as vezes que você disse a si mesmo, "Não estou ouvindo a voz de Deus" ou "Será que o Senhor está vendo isto que está acontecendo na minha vida?". Estes questionamentos geralmente aparecem quando achamos que não estamos sendo bons o suficiente, ou que nossa vida cristã não anda tão "bem das pernas".

E nisso sempre aparece um "abençoado" ou "mais espiritual" que diz: "É você deve estar orando pouco" ou "Quanto tempo você não faz um jejum"?! Parece que sempre estamos devendo algo pra Deus. Será isso mesmo que Deus espera de nós?

Veja o que Paulo, e não Saulo diz no verso 19... olhe lá em cima mais uma vez, antes de continuar a ler este devocional. 

E isto ele disse quando já havia se convertido e se tornado um dos maiores evangelistas que conhecemos. Aprendo com isso no mínimo 3 coisas a saber:

1º- Paulo assim como nós, fazia um monte de besteira e coisas ruins;
2º- Ele tinha esta consciência de que não era tão bom, e cá pra nós, nem eu nem você somos;
3º- Ainda que desejamos fazer sempre o bem, não iremos acertar sempre.

No verso 25 Paulo usa um adjetivo que talvez não te agrade muito. Miserável! Isto mesmo, miserável. Bem sabemos que ele foi o grande, senão  o maior evangelista, e se rotula como miserável. É bem verdade que ele assim como eu e você, tinha seus conflitos.

Mas neste mesmo verso vem a melhor parte deste capítulo onde Paulo exalta e glorifica a Deus:"Dou graças a Deus por Jesus Cristo nosso Senhor". Onde aprendi que com entendimento servimos a lei de Deus e vivemos a maravilhosa graça alcançada pelo nosso amado e Senhor Jesus.

Chega de culpas! É necessário nos aceitarmos! Sim, é evidente que devemos e podemos melhorar, mas chega de negação ao que somos, não somos tão bons e não podemos exigir que outros também sejam.

Não esqueça do amor de Deus e da graça de Jesus. Certamente o que mais preocupa o Senhor é o nosso coração, é quanto amamos a Deus, é o quanto amamos seus preceitos e a sua presença em nossas vidas. Lembremos da pergunta que o Jesus fez a Pedro depois deste, ter negado-o três vezes, na verdade depois de ter ressucitado: João 21: do verso 15 em diante. Pedro Tu me amas?

Jesus não ficou preocupado com as coisas ruins que Pedro havia cometido.
Portanto, vivam a graça do Senhor que foi conquistada lá no calvário e nos trouxe liberdade, amor e paz.

Ame Geral!

Deus Abençoe.

20/08/2010

Obediente é aquele que faz



Por Pr. Olavo Feijó

Mateus 21:31 - Qual dos dois fez a vontade do pai? Disseram-lhe eles: O primeiro. Disse-lhes Jesus: Em verdade vos digo que os publicanos e as meretrizes entram adiante de vós no reino de Deus.

Jesus contou a parábola de dois filhos que receberam ordem paterna de trabalhar na vinha da família: um respondeu que não, mas trabalhou; outro disse que sim, mas não trabalhou. "Qual dos dois fez a vontade do pai? O primeiro, responderam eles" (Mateus 21:31).

Vivemos constantemente um descompasso entre nosso discurso e nossa prática. Aquilo que pregamos é o politicamente correto. Principalmente, procuramos dizer aquilo que sabemos irá agradar nossos ouvintes. Como, geralmente, as pessoas não se preocupam em fiscalizar nossa conduta, para verificar se vivemos coerentemente, no final das contas cai tudo no esquecimento...

Jesus não se preocupou muito com a resposta verbal dos dois filhos. O foco do seu ensino foi o comportamento dos dois: um deles obedeceu e trabalhou; o outro, só para agradar, disse que sim - entretanto, quando se viu sozinho, não cumpriu sua promessa, não trabalhou. O contexto geral da Bíblia confirma o verso: "pelos frutos os conhecereis". De acordo com Tiago, uma bela declaração de fé, caso não seja acompanhada pela conduta coerente, é morta!

O Senhor Jesus nos quer obedientes. E obediente é aquele que faz!

Deus abençoe.

Ame Geral.

13/08/2010

Penetrado Pela Palavra de Deus

por John Piper


Oh! Como precisamos conhecer a nós mesmos! Somos salvos? Estamos vivos em Cristo? Existe somente um instrumento que cria, detecta e confirma a vida eterna na alma do homem — ou seja, a Palavra de Deus. Portanto, o que Hebreus 4.12 afirma a respeito da Palavra é importantíssimo.


“A Palavra de Deus”


A expressão “Palavra de Deus” pode significar uma palavra falada por Deus sem um porta-voz humano. Mas, no Novo Testamento, esta expressão normalmente significa uma palavra ou mensagem que um homem fala como representante de Deus. Por exemplo, Hebreus 13.7 diz: “Lembrai-vos dos vossos guias, os quais vos pregaram a palavra de Deus; e, considerando atentamente o fim da sua vida, imitai a fé que tiveram”. Portanto, a expressão, “Palavra de Deus”, em Hebreus 4.12, provavelmente se refere à verdade de Deus revelada nas Escrituras e que homens falaram uns para os outros na dependência da ajuda de Deus para entendê-la e aplicá-la.


“Viva e eficaz”


A Palavra de Deus não é morta ou ineficaz. Ela tem vida. E, devido a isso, ela produz resultados. Existe algo sobre a Verdade revelada por Deus, que a conecta com Deus como a fonte de toda a vida e poder. Deus ama a sua Palavra. Ele tem predileção por sua Palavra. Ele a honra com sua presença e poder. Se queremos que nosso ensino e testemunho produza efeitos, devemos permanecer fiéis a Palavra revelada de Deus.


“Mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até ao ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas.”


O que faz esta Palavra viva e eficaz? Ela penetra. Com que propósito? Para dividir. O quê? Alma e espírito. O que isto significa?


O escritor sagrado nos dá uma analogia. É semelhante a dividir juntas e medulas. As juntas são a parte mais grossa, dura e exterior do osso. As medulas são a parte mais mole, macia, viva e interior do osso. Isso é uma analogia de “alma e espírito”. A Palavra de Deus é como uma espada bastante afiada, capaz de cortar diretamente da parte exterior, dura e grossa do osso até à sua parte interior, macia e viva. Algumas espadas, menos afiadas, podem atingir um osso, resvalar e não penetrar. Outras espadas penetram somente até ao meio das juntas grossas e duras de um osso. Mas uma espada pontuda, bem afiada, de dois gumes (afiados em cada lado da ponta), penetrará a junta até alcançar a medula. “Alma e espírito” são como juntas e medulas de ossos. “Alma” é aquela dimensão invisível da vida que somos por natureza. “Espírito” é aquilo que somos pelo novo nascimento sobrenatural. Jesus disse: “O que é nascido da carne é carne; e o que é nascido do Espírito é espírito” (Jo 3.6). Sem o poder vivificador, criador, regenerador do Espírito de Deus em nós, somos apenas um “homem natural”, e não um “homem espiritual” (1 Co 2.14-15). Por conseguinte, o “espírito” é aquela dimensão invisível de nossa vida que somos por meio da obra regeneradora do Espírito Santo.


Qual é o principal ensino da afirmativa de que a “Palavra de Deus” penetra até ao ponto de “dividir alma e espírito”? O principal ensino desta afirmativa é que a Palavra de Deus revela o nosso verdadeiro “eu”. Somos espirituais ou naturais? Somos nascidos de Deus e estamos espiritualmente vivos? Ou enganamos a nós mesmos e ainda estamos espiritualmente mortos? “Os pensamentos e propósitos” de nosso coração são espirituais ou apenas naturais? Somente a “Palavra de Deus” pode “discernir os pensamentos e propósitos do coração”, como afirma Hebreus 4.12.


Falando em termos práticos, quando lemos ou ouvimos a Palavra de Deus, sentimos que ela penetra em nós mesmos. O efeito deste penetrar é revelar se há espírito ou não. Existe medula e vida em nossos ossos? Ou somos apenas um esqueleto sem medula viva? Existe “espírito” ou somente “alma”? A Palavra de Deus penetra fundo o suficiente, para mostrar-nos a verdade de nossos pensamentos e motivos, e o nosso próprio “eu”.


Renda-se a esta Palavra de Deus, a Bíblia. Use-a para conhecer a si mesmo e confirmar sua própria vida espiritual. Se existe vida, haverá amor, gozo e um coração obediente à Palavra. Dedique-se a esta Palavra, de modo que suas palavras se tornem a Palavra de Deus para outros e revelem a condição espiritual em que eles estão. Então, sobre a ferida causada pela Palavra, derrame o bálsamo da Palavra.


Extraído do livro: Penetrado pela Palavra, de John Piper.
Copyright: © Editora FIEL 2009


Fonte: Voltemos ao Evangelho

QUEM SÃO SEUS AMIGOS?


Quem são seus amigos? from iPródigo on Vimeo.

10/08/2010

Liderança não é para qualquer um

Por: Ed René Kivitz

O exercício da liderança é um privilégio e uma responsabilidade de poucos. Usando nossa linguagem teológica, as "pessoas dons" (Efésios 4: 11) são sempre em número muito menor do que as "pessoas com dons" (Efésios 4.12).

As pessoas dons são responsáveis pela eficácia (fazer as coisas certas) e a eficiência (fazer as coisas da maneira certa) da organização. Quando você tem um problema de liderança, você tem um problema de líderes, e não de liderados.

Espera-se, portanto, que os líderes sejam líderes, isto é, tenham no mínimo, uma visão clara do futuro para onde conduzem seus liderados, uma sensibilidade aguçada para que este futuro seja fruto dos sonhos e anseios dos liderados e um senso de responsabilidade para com a organização/organismo, pois os líderes não são servos dos liderados, mas servos da visão comum. Servir os liderados é a maneira como os líderes servem à visão, e não sua finalidade essencial.

Diante destas responsabilidades, acredito que ninguém será capaz de exercer satisfatoriamente a função de liderança, sem o desenvolvimento de pelo menos três capacidades.

A capacidade de conviver com a solidão. Líderes são líderes porque enxergam, percebem, sentem, sabem, estão dispostos a sacrifícios, possuem paixão diferenciados em relação aos liderados. Um líder na média dos seus liderados é um liderado que está no lugar errado, a saber, ocupando a posição de líder. Águias não voam em bandos.

A capacidade de tomar decisões impopulares. John Kennedy disse que o segredo do fracasso é "tentar agradar todo mundo". O líder deve sempre tentar construir consenso, mas deve ter coragem para tomar decisões e assumir responsabilidades. Caso contrário, será um "facilitador de discussões", e não um líder de fato.

A capacidade de conviver com críticas. Como se diz no popular, "nem Jesus Cristo agradou todo mundo". Nesse caso, uma vez que o líder se posiciona, assumindo sua responsabilidade de levar todo mundo rumo ao bem comum, certamente contrariará interesses particulares, e conseqüentemente será alvo de palavras duras e imerecidas. Sempre.

Eis as razões porque o exercício da liderança não é para qualquer um.



 

Blogger news

Blogroll

About