31/03/2010

Pense nisso


O mundo nos coloca em transe todos os dias desde quando acordamos até a hora em que vamos dormir. Ligamos nossos televisores e vemos aquelas mulheres bonitas, aqueles homens másculos, quando assistimos novelas vimos todas aquelas felicidades superficiais, na qual sonhamos em ter uma vida assim. Preocupamo-nos muito com o que vão achar de nós. Desejamos muito aquilo que no fundo sabemos que é surreal.

Mas o que DEUS espera de nós? Será mesmo que DEUS se preocupa com nossas roupas, corpos definidos, lindos carros, contas bancárias milionárias, e outras futilidades de nossos corações?

DEUS tem muito mais por nós, muito mais do que podemos enxergar em uma tela de LCD de 60 polegadas, ou em um lindo carro importado com rodas cromadas, Ele nós oferece vida eterna. Ele nós oferece aquela sensação de acordar todos os dias e saber que ela está sorrindo e nós dizendo para continuar, pois Ele está olhando por nós, e nunca nós deixara só.

Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Salmos 1:1

Renato Marins



29/03/2010

Galardão Pelo Trabalho

1 Coríntios 3:8 - Ora, o que planta e o que rega são um; mas cada um receberá o seu galardão segundo o seu trabalho.


Há duas coisas enfatizadas por Paulo. Uma , que devemos nos dedicar ao trabalho do Reino. Outra, que o Senhor sempre galardeia os cristãos que O servem: "... cada um receberá o seu galardão segundo o seu trabalho" (I Coríntios 3:8).


Vem se avolumando o número de crentes que estão desapontados com igrejas. Alguns, porque não se sentem reconhecidos pelo que fazem. Outros, porque nunca lhes dão a oportunidade de trabalhar. Em casos piores, há crentes vítimas de ciúmes por parte dos membros de igreja que nada fazem. Existem até crentes cujo trabalho é reconhecido fora da igreja, mas ignorado pelos irmãos.


Paulo sabia disso - dentre outras coisas porque ele também sofrera discriminação. A conclusão dele, entretanto, amparou sua vida espiritual e seu ministério cristão. O apóstolo aprendeu que o Senhor nunca falha e que reconhece até o mínimo trabalho para o Reino, quando feito de coração.


Quem trabalha por causa do reconhecimento de uma igreja pode ficar desapontado. Quem trabalha para o Reino, por amor ao Cristo, sempre receberá galardão.


Fonte: Gotas Biblicas Pr. Olavo Feijó

Culto Doméstico

Coragem

O texto de hoje encontra-se no livro de Atos e trata de uma ocasião em que Paulo foi incentivado por Jesus. Esse apóstolo, apesar de muito usado por Deus para implantar igrejas por toda a Ásia (o nome dado, na época, às encostas do Mediterrâneo na Grécia e Turquia, no sul da Europa) e propagar os ensinamentos de Cristo com a redação de mais da metade do Novo Testamento, era um homem como qualquer outro, tendo necessidade de ânimo e estímulo. Quando se encontrava na prisão em uma de suas viagens, as palavras do Senhor: “Coragem! Pois o modo por que deste testemunho a meu respeito em Jerusalém, assim importa que também o faças em Roma” (At 23: 11) lhe serviram, portanto, de grande alento.

É natural nos sentirmos abatidos em certas ocasiões e isso não implica em uma vida de pouca comunhão com Deus. Prova disso é o próprio exemplo do apóstolo Paulo, um homem de intimidade com o Senhor e comprometimento com a Palavra (e, sem dúvida, um dos mais motivados do evangelho), que se sentiu solitário e enfraquecido em alguns momentos. São tantos os obstáculos que temos pela frente que nossa energia se esvai, restando apenas a tristeza, sem nem mesmo a vontade de reagir.

Na maioria das vezes temos motivos legítimos para tanto: a perda de um ente querido, um abalo financeiro, o rompimento de uma relação afetiva. Porém, mesmo em se tratando das questões existenciais que nos perpassam a todos, os aborrecimentos têm razão de ser. Nesses momentos, só mesmo as palavras de Jesus ao apóstolo Paulo, que, felizmente, estão disponíveis para nós em todo o tempo. Assim, pense no poder que reverbera do Senhor ao lhe dizer: “Coragem!” e saia, fortalecido, para mais uma tentativa.

Fique na paz,

Ap. Rina

26/03/2010

Arrogância Nossa

Por Clóvis Cabalau

“Gosto do seu Cristo, mas não gosto dos seus cristãos”. A frase é de Mahatma Gandhi e vale reflexão.

Se considerarmos que Gandi morreu sem Jesus e crendo que ratos e outros animais são deuses dignos de adoração [como a maioria da população da Índia crê], temos de admitir que os cristãos têm uma parcela de responsabilidade nisso. É duro aceitar, mas a nossa arrogância e nosso mau testemunho vêm sendo um entrave no alcance de muitas pessoas pela verdade de Jesus.

Somos arrogantes sim. Sob a prerrogativa de que detemos a única chave possível de acesso a Deus, subimos em nosso pedestal, altivos em nossa crença. Lembro-me da passagem em que os discípulos tentavam impedir que crianças se aproximassem de Jesus, repreendendo aqueles que as levavam [Mc 10:13]. Ou quando os seguidores do Senhor repreenderam um cego que clamava por cura [Mc 10:46-48].

Muitos de nós, ao invés de levar as pessoas a Cristo, as repelimos com nossa arrogância, nosso preconceito e testemunho reprovável.

Um dos grandes desafios dos cristãos, hoje, é passar a verdade de Cristo sem parecer orgulhoso e dono de si. Se a verdade não for sustentada pelo amor, torna o detentor da mensagem odioso e a verdade repulsiva.

Nietzsche disse certa vez: “Passarei a acreditar no Redentor quando o cristão parecer um pouco mais redimido”. Penso que muitos intelectuais até admitem sentir admiração por Jesus, mas quando olham para nós, cristãos, acabam considerando não valer a pena seguir a um Cristo que arrebanha pessoas de caráter tão duvidoso.

É por isso que não me canso de pregar aos jovens: “Parem de olhar para homens, olhem para Jesus”. Se Gandhi e Nietzsche o tivessem feito, talvez houvesse experimentado a “paz que excede todo o entendimento” [Fp 4:7], a paz que desconcerta todo intelectualismo solitário.

Quanto a nós, cuidemos de descartar a arrogância nossa de cada dia, para que o mundo possa ver em nós o reflexo do amor simples de Jesus.

Fonte: Pulpito Cristao

25/03/2010

Você tem dúvidas quanto à sua devoção a Cristo?

Um dos princípios mais importantes a serem observados na leitura da Bíblia


Algumas vezes leitores da Bíblia veem as condições que Deus estabelece para ter a Sua bênção e concluem disso que a nossa ação é anterior e decisiva, então Deus responde para nos abençoar.

Isso não está certo.

De fato, existem condições reais que Deus frequentemente ordena. Nós devemos satisfazê-las para receber a bênção prometida. Mas isso não significa que somos deixados por conta própria para satisfazer as condições ou que a nossa ação é anterior e decisiva.

Aqui está um exemplo para mostrar o que quero dizer.

Em Jeremias 29:13, Deus diz aos exilados na Babilônia: “Buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes de todo o vosso coração.” Há uma condição: quando vocês Me buscarem de todo o vosso coração, então Me achareis. Então, precisamos buscar o Senhor. Essa é a condição para achá-Lo.

Verdade.

Mas isso significa que somos deixados por conta própria na busca pelo Senhor? Isso significa que a nossa ação de buscá-lo é anterior e decisiva? Isso significa que Deus só age após a nossa busca?

Não.

Veja o que Deus diz em Jeremias 24:7 aos mesmos exilados na Babilônia: “E dar-lhes-ei coração para que me conheçam, que eu sou o Senhor; e eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus; pois se voltarão para mim de todo o seu coração.”
Assim, o povo satisfará as condições para retornar a Deus de todo o coração. Deus responderá, sendo o Deus deles com todas as bênçãos. Mas a razão pela qual eles retornarão de todo o coração é que Deus dará a eles um coração para conhecê-Lo. A ação de Deus é anterior e decisiva.

Agora, conecte isso com Jeremias 29:13. A condição ali é que eles busquem o Senhor de todo o coração. Mas agora vemos que a promessa em Jeremias 24:7 é que o próprio Deus dará a eles esse coração para que eles retornem a Ele de todo o coração.

Essa é uma das coisas mais básicas que as pessoas precisam ver a respeito da Bíblia. Ela está cheia de condições que devemos satisfazer para ter as bênçãos de Deus. Mas Deus não nos deixa por conta própria. O primeiro e decisivo trabalho antes e durante o nosso querer é a prévia graça de Deus. Sem esse entendimento, centenas de declarações condicionais na Bíblia nos induzirão em erro.

Deixe que esta seja a chave para todas as condições e mandamentos bíblicos: “Desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade.” (Filipenses 2:12-13). Sim, nós operamos. Mas o nosso operar não é anterior e decisivo. O de Deus é. “Trabalhei muito mais do que todos eles; todavia não eu, mas a graça de Deus, que está comigo.” (1 Corintios 15:10).

John Piper


Texto original disponível no site Desiring God

24/03/2010

Companhias

Por Maurício Arruda

Você já esteve em meio a uma conversa que te desagradou ou ofendeu? Infelizmente eu já... E o pior de tudo é que muitas destas vezes o máximo que consegui fazer, foi ficar constrangido e com aquela cara de paisagem... Talvez por ter sido pego de surpresa?

Hoje quero compartilhar esta passagem das escrituras que ao lê-la, fez-me refletir muito e certamente, se dermos o devido valor que ela merece e à aplicarmos em nossa vida cristã, estaremos mais próximos da boa, perfeita e agradável vontade de Deus para as nossas vidas.

Coríntios 15:33 "Não vos enganeis. As más companhias corrompem os bons costumes."


Paulo nos alerta: "Não vos enganeis". Em outras palavras poderíamos dizer: não faça vista grossa, não pense que não tem nada haver, não ache que você está sendo apenas sociável ao participar de certos grupos e certos tipos de conversas.

O relaxamento moral resulta nas deficiências doutrinárias.

Reveja suas amizades, os tipos de conversas das quais você tem participado e porque não dizer ainda, do que você tem visto na televisão, internet, e ouvido nas rádios. Será que realmente tudo isso tem trazido algo de bom para sua vida e lhe ajudado a manter e até mesmo a mudar seus "bons costumes"?

Cuidado com o que você tem semeado no seu coração, pois somente assim terá a certeza dos frutos diários que serão colhidos em sua vida. A decisão é sua!

A Ele a glória, assim agora, como até o dia da eternidade.

Bodas de prata no namoro?

Estamos vivendo um problema que não lembro de ter lido algo parecido na história e, como tudo que é novo a igreja demora anos para assimilar, não estamos sabendo tratar o assunto como deveríamos.

Estou me referindo aos namoros de hoje.

Os jovens, ou melhor, os adolescentes estão começando os namoros mais cedo. Os meus pais começaram a namorar com 16 anos, o meu primeiro beijo foi dado com 14 e hoje já é comum ouvir entre os adolescentes que o primeiro beijo foi dado aos 10 anos.

Nem quero entrar no âmbito da precocidade dos adolescentes, que isso é uma outra questão a se tratar.

O problema não está apenas no começo do namoro, mas também no fim dele. A nossa sociedade capitalista e triunfalista nos formatou da seguinte forma: o certo é casar depois que a vida estiver estável financeiramente. Os meus pais se casaram com 19 anos, a minha geração se casou com 25 e agora a maioria está se casando com 28, 30 anos.

Está posto à mesa um problema que não se viu antes, a fase de namoro de uma pessoa deu um salto de 4 anos a 20 anos em pouco mais de uma geração. Logo vamos falar em bodas de Prata no namoro.

E quanto a nós, cristãos conservadores, que acreditamos que o sexo é para o casamento?

Um adolescente recebe, desde os 10 anos, uma carga grande entre os amigos para namorar, ouve na igreja para se abster do sexo e ouve dos pais para nem pensar em casar antes de se formar na faculdade.

Soluções como a proibição dos pais ao namoro até certa idade já se mostrou apenas um combustível altamente inflamável para os adolescentes. A proposta dos líderes de jovens para um namoro sem nenhum contato físico, a corte, não foi aceita pela maioria e acabou gerando muitos fariseus legalistas e mentirosos entre seus membros.

Em uma coisa acredito que todos concordam, no “carro chamado intimidade” no namoro, não existe marcha ré.

A pergunta é: o que se deve ensinar para esta geração chegar ao casamento sem transar?

Tenho viajado o Brasil todo, ouvido e visto de tudo.

A maioria prefere ignorar o problema e continuar falando genericamente do assunto, outra parte quer ensinar baseado em um pecado: o medo.

Colocam medo nos adolescentes, além de mandarem para o inferno os que caíram, gastando horas mostrando que as meninas podem engravidar, pegar uma doença fatal, e a mais usada, pode criar traumas que irão carregar para o resto de suas vidas. Todas essas conseqüências eu acho que são reais e devem ser expostas, mas não acho que isso vai impedir alguém de transar na hora que a coisa esquenta. Pois a camisinha e os psicólogos já foram inventados.

João falou em sua carta que “no amor não existe o medo, antes o perfeito amor lança fora o medo”.

Estamos falhando, porque a solução não é o terror e nem o medo, é o amor.

Acredito fielmente que a tarefa quase impossível de se guardar para o casamento não é conquistada por mais ou menos leis, por medo, mas sim por amor a Deus.

Se nós nos aproximarmos de Deus de tal forma que nos relacionemos com Ele como amigos íntimos, entenderemos o que Ele fez na cruz por nós. Aí sim começaremos a entender que não temos que obedecer a bíblia para não ir para o inferno ou para não receber castigo de Deus, mas sim porque amamos e somos gratos para com aquele que nos salvou.

Alguns podem até cair, pois nem sempre permanecemos focados em Deus, mas assim que o Espírito nos lembra do evangelho, voltamos a querer, acima de nossas vontades, agradá-Lo em gratidão.

Acredito que uma boa conversa preventiva, uma boa educação em casa e na igreja ajudam, mas acredito fielmente que a boa conduta de alguém, está baseada no amor e na gratidão de uma pessoa que foi salva por Cristo.
 
Fonte: Marcos Botelho

23/03/2010

Por isso, odeio os rótulos


Texto: Ubirajara Crespo

Lucas 18.9-14: Esta parábola é simplesmente devastadora para ao meu coração. Ela me corta, me pisa, me enlouquece, mas acima de tudo me mostra quem realmente sou e me coloca no meu devido lugar.

Vou tentar resumi-la: “... Dois homens subiram para orar, o primeiro falou de si para si: Graças te dou por não ser como um destes pecadores....”

Este sujeito não orou para Deus, orou de si, para si, porque se considerava “O Cara”, “The Best”, “o centro do universo”: mais ou menos como fazemos hoje: Sou evangélico, sou pastor, sou crente contextualizado, sou Gospel, sou apostólico, sou escritor, sou compositor, sou cantor, sou batizado no Espírito Santo, sou profeta, sou mestre, sou líder, sou intercessor, sou apóstolo, sou levita, sou evangelista, sou diácono, falo em línguas, sou da Igreja tal, sou batista, sou pentecostal, sou fulano, sou guerreiro. - Estes títulos todos só servem para hierarquizar, criar castas e nos distanciar uns dos outros.

Todos gostam de parecer especiais, diferentes, mas a única identificação que realmente serve é: "Sou servo de Jesus e servo de todos, o meu único direito é me humilhar perante a poderosa mão de Deus".


APLICAÇÃO

Você já se exaltou alguma vez? Eu já tentei fazer isto inúmeras ocasiões, em algumas até fui bem sucedido, mas em todas delas, desagradei ao meu Senhor. Eu espero nunca mais exaltar a mim mesmo ou a algum outro destes pobres vermes que, como eu, subem em púlpitos, palcos e fazem gravações tentando parecer valioso?

Tomei o cuidado de dizer espero nunca mais exaltar a mim mesmo, propositadamente, porque acho que neste aspecto eu não sou nada confiável, são muitas as tentações e tenho a tendência de cair em todas. Se algum dia eu merecer o título de “Servo Inútil e sem valor”, já terei subido inúmeros degraus além do lugar onde me encontro neste momento.

Ao orar, devo olhar para aos meus próprios pés, e ver como realmente são. Quando não sou nada, sou tudo, quando me humilho sou exaltado, quando sou servo me torno o maior.

Fonte: http://sob-nova-direcao.blogspot.com/

21/03/2010

Chega de engano santo!


Por Clóvis Cabalau



Certa vez, assistia a um culto quando o pastor bradou:
– O Diabo não brinca em serviço, irmãos!

A irmãzinha, obviamente desatenta, ao perceber o tom de voz elevado do pregador, não titubeou: – Glória a Deus! Aleluuuuuia!

Eu e minha amada esposa nos entreolhamos como quem perguntava um para o outro: “Ué, e desde quando mencionar uma ‘qualidade’ do diabo é motivo para glorificar?”

A cena, absolutamente verídica, ilustra bem uma realidade triste de nossas igrejas: a palavra que se prega, para alguns, é menos importante que a performance do pregador. Ou seja, frases de efeito e uma voz bem impostada, com suposta “autoridade”, faz mais efeito que um bom embasamento bíblico.

Amados, não fomos feitos seres pensantes por acaso. A palavra não nos ensina a calar a voz diante de teatralizações espirituais e “revelamentos” sem fundamento. O apóstolo Paulo nos alerta sobre os falsos profetas e destaca a prudência daqueles que examinam, na Palavra, tudo o que ouvem (At 17:11, 1Ts 5:21). A seu discípulo Timóteo, ele recomenda o bom manejo da palavra da verdade (2Tm 2:15). O próprio Jesus nos alerta que homens fariam maravilhas (lê-se manifestações sobrenaturais) e expulsariam demônios em seu nome, mas que estes não tinham parte com Ele (Mt 7:15-27). O que diferenciam os falsos dos verdadeiros profetas não são os milagres, mas os frutos, os bons frutos.

Incomoda-me perceber como mercadores da fé estufam seus bolsos de dinheiro à custa da ingenuidade dos crentes. É triste ver a idolatria em nosso meio. Fico perplexo ao ver pregadores endeusados, novidades e modismos invadindo as igrejas sem o devido exame ou básico apelo ao dom do discernimento. Chateia-me também os legalistas fazendo cara feia para um determinado ritmo de música ou tipo de roupa usada pelos cristãos do século XXI, como se Deus estivesse preocupado com isso [não estou descartando a decência, logicamente].

Pregadores itinerantes vendem milagres com suas performances teatrais e, com extrema facilidade, a igreja “pega fogo” [crente adora uma novidade]. Irmãos, fogo que não traz transformação de vida é fogo estranho. Sei que não vou receber tapinhas nas costas por fazer alguns alertas aqui. Mas prefiro dar a cara à tapa a ficar inerte. Sei que estou a anos luz do servo que o Senhor espera de mim. E também estou longe do conhecimento que preciso e gostaria de ter. Mas tenho a convicção de que o Espírito Santo está abrindo a mente e os olhos de uma nova geração de revolucionários. Crentes afinados com a Palavra, preocupados com o próximo, com o social, com salvação de vidas e que não se deixam enganar.

Fonte: Pulpito Cristao

Pregadores sem Profundidade


"Seus dons de pregador não melhoraram; são iguais a sete anos atrás; você possui vida, mas não profundidade; há alguma monotonia em sua mensagem; não há amplidão de pensamento. Somente a leitura diária pode remediar isso, combinada com meditação e oração. Você causa a si próprio graves prejuízos ao omitir tais coisas. Sem elas, você nunca chegará a ser um pregador profundo, e nem sequer um cristão completo. Oh! comece, só! Reserve horas determinadas de cada dia para entregar-se aos exercícios especiais. Você pode adquirir o gosto que ainda lhe falta: o que no princípio é tedioso passará a ser agradável depois".


(John Wesley em correspondência a um de seus cooperadores.)

 

Fonte: Lelièvre, Mateo. João Wesley: sua vida e obra. p.143-144.

O que é já foi e o que será, também!


Texto: Ap. Rina


O texto da mensagem de hoje é bastante intrigante. Ele compõe o versículo 15 do terceiro capítulo do Livro de Eclesiastes e diz o seguinte: “O que é já foi, e o que há de ser também já foi; e Deus pede conta do que passou”. Esse texto desperta o nosso interesse porque, à primeira vista, parece não fazer sentido. Como poderiam as coisas futuras, assim como as passadas, já terem acontecido?

Um comentário de John Wesley sobre essa passagem (disponível no sítio de internet: //wesley.nnu.edu) expressa que as coisas passadas, presentes e futuras são estabelecidas por uma ordem constante em todas as partes e eras do universo. De acordo com Wesley, há um retorno contínuo no movimento dos corpos celestiais, das estações do ano e na sucessão das gerações de homens e animais, em que tudo ocorre com o mesmo padrão. Esse pensamento é complementado por Ray C. Stedman (www.raystedman.org), em sua afirmação de que, em decorrência disso, há a repetição das mesmas lições para todo ser humano.

Por isso a segunda parte do versículo: Deus requer de volta aquilo que já passou, ou seja, Deus faz o que já passou retornar e isso implica em darmos conta do que fazemos. Há que se pensar, por exemplo, que, se o movimento das coisas é cíclico e isso inclui os nossos erros, teremos os mesmos tipos de colheita do que plantamos até que produzamos frutos de qualidade. E supõe-se que ninguém deseja errar a vida toda.

De fato, esse versículo é um desafio à consciência e ao empenho em viver de modo a não repetir os mesmos erros; o que faz desta mensagem também um incentivo para tanto. Se vamos passar por testes, que busquemos a aprovação em todos, de modo a que a nossa estada na terra não seja em vão.

Primeiro, há que se pensar na efemeridade da existência. Deus estabeleceu o homem tendo como parâmetro a eternidade. Assim, comparada com ela, nossa passagem por este mundo é, no mínimo, breve e não devemos desperdiçá-la com coisas que nos trarão prejuízos.

É sabido, por exemplo, que os maiores danos a uma pessoa são causados pelos vícios (o alcoolismo, as drogas, o jogo, a pornografia, o consumismo), por uma saúde debilitada, por finanças mal-administradas e relacionamentos degenerados, que desarmonizam o convívio de lares, locais de trabalho, lazer e até mesmo igrejas.

E é preciso buscar com urgência a remissão do nosso tempo. É preciso aproveitar ao máximo as oportunidades de aprendizado e, principalmente, de prática dos ensinamentos de Cristo, certamente o modelo de procedência para todo ser humano. Não podemos nos esquecer dos termos eternos em que se dão os valores espirituais, nem da balança com que todos seremos medidos. Afinal, o futuro também já passou.

Que Deus o abençoe,

19/03/2010

Você parece com Jesus?


Por Clóvis Cabalau


Já notou como o nosso pecado é sempre menor do que o pecado do próximo? Quando a ‘batata esquenta’ na casa do vizinho, fica cômodo criticar, não é verdade? Via de regra, temos o péssimo hábito de nos comparar com os outros na intenção de parecermos melhores do que realmente somos. Afinal, detectar falhas em alguém serve para realçar as nossas supostas qualidades.

Buscar virtudes em mim ante os defeitos do meu irmão é sempre fácil. Desafiador é ter coragem de me comparar com Jesus. É que diante do meu próximo eu até consigo exaltar – ou seria forjar? – as minhas qualidades, mas comparar-me a Jesus é ter, inevitavelmente, meus defeitos escancarados. Senti que deveria fazê-lo.

Enquanto pregava no culto do domingo passado, pela manhã, na Comunidade Vida, compartilhei com a igreja a experiência de me comparar com Jesus. A mensagem estava alicerçada no texto de 1Co 11:1 e uma das perguntas que fiz a mim aos irmãos presentes foi: “Será que nós teríamos a firmeza do apóstolo Paulo para dizer às pessoas “sedes meus imitadores como eu sou Cristo”? Arrematei com outra pergunta: “Será que alguém que imite a mim estará em compasso com os ensinamentos de Jesus?

Ao comparar-me com Jesus, constatei que a minha coragem para pregar o evangelho está a anos luz da coragem de Cristo. Olhei para Ele e vi que minha fé não chega ao tamanho de um grão de mostarda, pois a Bíblia diz que “Se tiverdes fé do tamanho de um grão de mostarda direis a esse monte: Passa daqui para acolá – e há de passar; e nada vos será impossível” [MT 17:20]. Conclui também que minha capacidade de perdoar ainda é extremamente carnal e egoísta. Vi que meu amor ao próximo não chega nem aos pés do amor Daquele que entregou sua vida por mim na cruz do Calvário.

Comparar-me com Jesus foi constrangedor. Mas, pude concluir duas verdades práticas: a primeira me diz que me comparar ao meu próximo pode ser uma grande perda de tempo quando utilizo a comparação apenas para me ensoberbecer nas minhas supostas qualidades; a segunda me mostra que me comparar a Jesus é um exercício de confronto com minha postura de servo e meu caráter cristão.

Que possamos ser, como Paulo, um autêntico e ousado imitador de Cristo.

Fonte: Pulpito Cristao

Pecado Sexual


Fonte: Voltemos ao Evangelho

Facetas do Inimigo



Texto: Ricardo Gondim

Caramba, como se fala no diabo! Fico impressionado como ele se tornou necessário. O diabo suga a fé, derruba crente, se infiltra em poderosas redes de televisão, envia pragas, fura pneu de carro, provoca terremotos, conhece os limites dos municípios e domina territórios. Compete e ganha de Deus. É diabo para cá e para lá o tempo todo.

Se alguém está triste, advinha quem mandou a tristeza. Se alguém duvida, advinha quem mandou a dúvida. Se alguém adoece, advinha quem mandou a enfermidade. Arre! Chega! Será que ninguém vai assumir o que faz? Fica fácil culpá-lo já que o mundo inteiro está controlado, guiado, dominado, manipulado e organizado por Satã. Mas o Bicho merece o estatus de espantalho, Judas, bode expiatório? Até quando os humanos vão projetar nele suas mazelas?

Dá para compreender tanta importância. Como se levantaria dinheiro nas igrejas se o Capeta não fosse a estrela do show da fé? Como televangelistas inculcariam pavor nas pessoas se o Coisa-Ruim não fosse tão medonho? Como as poderosas multinacionais da fé subsidiariam seus projetos se o Demo não adquirisse tanta força? Confesso. Tenho medo de uma religião em que o mal se torna o pivô da espiritualidade. Fico apreensivo com uma fé que não pode prescindir de ameaças e arredio com uma ética constrangida pela possibilidade de Satanás ter direitos legais para arrasar as pessoas que erram.

Não discuto a sua existência. Fico apenas suspeitoso com tanta badalação. Eu já não gostava dele, agora não aguento mais ouvir falar na Peste. Por mim, Belzebu não receberia nenhum jabá. Eu não permito que ele dê o tom do meu culto a Deus; não aceito que seja a minha motivação para agir. Enfim, não deixo que ele tome o lugar de Jesus.

16/03/2010

E os músicos da church...

Tipos de Crente

CRENTE "CHICLÉTS" - SÓ MASTIGA A PALAVRA, MAS NÃO ENGOLE...

CRENTE PIOLHO - ANDA PELA CABEÇA DOS OUTROS...

CRENTE PIPOCA - VIVE DANDO PULO....

CRENTE MACACO - VIVE PULANDO DE IGREJA EM IGREJA...

CRENTE NÔMADE - VIVE TROCANDO DE HABITAT...

CRENTE PASSAGEIRO - VIVE PASSEANDO DE IGREJA EM IGREJA...

CRENTE CARRAPATO - VIVE COLADO NOS OUTROS...

CRENTE SANGUESSUGA - VIVE SUGANDO OS BENS DOS IRMÃOS...

CRENTE URUBU - VIVE SE ALIMENTANDO DA CARNE DOS IRMÃOS... "HUM... HOJE VAMOS COMER PASTOR A MILANESA!!!!"

CRENTE CAMALEÃO - ESTÁ TODA HORA DE MUDANÇA PARA SE ADAPTAR AO NOVO HABITAT...

CRENTE 007 - ESSE É O AGENTE SECRETO DE CRISTO INFILTRADO NO SUBMUNDO DE SATANÁS...(NINGUEM, REALMENTE NINGUÉM SABE SE ELE É CRENTE, NEM ELE)

CRENTE IÔ-IÔ - ESTÁ SEMPRE SAINDO E VOLTANDO PARA A MÃO DE DEUS...

CRENTE ELEVADOR - ESTÁ SEMPRE SUBINDO E DESCENDO NA VIDA ESPIRITUAL...

CRENTE AVESTRUZ - VIVE COLOCANDO A CABEÇA EMBAIXO DA TERRA QUANDO TEM UM PROBLEMA....

CRENTE LEÃO - NÃO SE META COM ELE, POIS ELE É O REI DA IGREJA...

CRENTE JACARÉ - TEM UMA BOQUINHA...

CRENTE PAPAGAIO - SÓ SABE ORAR COM NO MÁXIMO USANDO 20 PALAVRAS...

CRENTE PINGÜIM - VIVE SEMPRE NUMA GELEIRA ESPIRITUAL...

CRENTE CHUCHU - NÃO TEM GOSTO DE NADA...

CRENTE DENOREX - PARECE MAS NÃO É...

CRENTE BRASTEMP - NÃO TEM COMPARAÇÃO... (COM CRISTO)

CRENTE NIGUEL MANSEL - CORRE UM MONTE MAS NUNCA GANHA UMA PELEJA...

CRENTE RUBINHO BARRICHELO - FREIA NO FIM DA PROVA SÓ PRA DEIXAR TODO MUNDO PASSAR POR VOCÊ NA VIDA ESPIRITUAL...

CRENTE PULGA - TÁ SEMPRE COÇANDO A SUA ORELHA.

CRENTE TOCHA - TÁ TODA HORA QUEIMANDO... "QUEIMA DEMÔNIO, QUEIMA..."

CRENTE KIKO DO CHAVES - ESSE NÃO SE MISTURA COM A "GENTALHA"

CRENTE CHAPOLIN - VOCÊ PODE CONTAR COM TUDO, MENOS COM SUA ASTÚCIA...

CRENTE BALAÃO - ENXERGA ESPIRITUALMENTE MENOS QUE UMA MULA...

CRENTE NOÉ - NUNCA AS COISAS SÃO COM ELE, "NOÉ COMIGO IRMÃO"

CRENTE HOMEM-ARANHA - VIVE SUBINDO PELAS PAREDES POR QUALQUER COISA...

CRENTE 6Hrs - SEMPRE DEPENDENDO DA ORAÇÃO DOS IRMÃOS: "SEIS" ORA POR MIM?"

CRENTE ALELUIA GLÓRIA A DEUS - PASTOR PREGANDO: "PORQUE O DIABO VEIO PARA MATAR..." E O IRMÃO DIZENDO: ALELUIA GLÓRIA A DEUS

CRENTE ZAGALO - OS IRMÃOS VÃO TER QUE ENGOLIR

CRENTE ARI PISTOLA - SÓ CONHECE O ANTIGO TESTAMENTO, A LEI E OS PROFETAS

CRENTE CHACRINHA - SÓ DÁ ABACAXI PARA OS IRMÃOS.

CRENTE PÃO DE FÔRMA - MIOLO MOLE, CASCA GROSSA, CHATO E QUADRADO

CRENTE REXONA - A BÍBLIA SEMPRE DEBAIXO DO BRAÇO...ARGH, QUE CHEIRO DE SUVACO!!!

CRENTE RADICCI- AMARGO QUE SÓ ELE

CRENTE CABELEREIRO - TRABALHA SÓ PRA FAZER A CABEÇA DOS OUTROS...

CRENTE RIVALDO - SE ACHA O BOM E INJUSTIÇADO!

CRENTE URSO - NO INVERNO, FICA HIBERNANDO.

CRENTE AÇÚCAR - SE SAIR COM CHUVA, DERRETE.

CRENTE QUIABO - VIVE ESCORREGANDO.

CRENTE BORBOLETA - QUE ANDA DE IGREJA EM IGREJA.

CRENTE ÔBA-ÔBA - "TUDO É FESTA".

CRENTE CARRINHO-DE-MÃO - ALGUÉM TEM QUE EMPURRÁ-LO ATÉ A IGREJA.

CRENTE GELINHO - CHEIO DOS "NÃO ME TOQUES!"

CRENTE FLORZINHA DE JESUS - QUALQUER COISA, SAI DA IGREJA.

CRENTE GABRIELA - "EU NASCI ASSIM, EU CRESCI ASSIM, E EU SOU ASSIM, VOU SER SEMPRE ASSIM, GABRIEELA..."

CRENTE MACHADO - QUALQUER IDÉIA, ELE JÁ CORTA.

CRENTE BULE - DE "PÔ CAFÉ" (POUCA FÉ).

CRENTE ESCOTEIRO - SÓ VAI EM ACAMPAMENTO.

CRENTE ROCAMBOLE - ENROLADO...

CRENTE KODAK - VIVE DE REVELAÇÃO.

CRENTE PÁ - QUANDO O PASTOR ESTÁ PREGANDO, ELE DIZ: "É PÁ ELE!"

CRENTE ALELUIA - SÓ DIZ ALELUIA NA HORA ERRADA.

CRENTE COM DOM DO CANTO - FICA LÁ NO CANTO DA IGREJA ENCOSTADO, E NÃO QUER SABER DE TRABALHAR!

CRENTE CELULAR - SÓ VIVE DESLIGADO OU FORA DE ÁREA.

CRENTE AVIÃO - VIVE NAS NUVENS.

CRENTE FOGUETE - VIVE NO MUNDO DA LUA.

CRENTE ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS - VIVE SONHANDO. ACORDA, ALICE!

E A MELHOR DE TODAS PRA MIM...


CRENTE 333 - CRENTE MEIO BESTA....

14/03/2010

Getsêmani

Foi por mim e por você. Onde encontraríamos tanto amor senão nEle?!


12/03/2010

O quê a sua fé gera em você?

Sim nós entendemos que somos espirituais e as escrituras assim nos ensina. Existe, porém um mal no meio evangélico cristão, que muitas vezes praticamos incorretamente e levianamente. Julgamos-nos melhores, nos exaltamos, e temos a falsa sensação que somos mais amados por Deus, pois somos “espirituais”. Chegamos até ignorar pessoas por elas não serem iguais a nós, mas sequer contribuímos para que isso aconteça, no sentido de professarem a fé em Jesus Cristo com seu Senhor.

Em Gálatas 6:1, Paulo através do Espírito nos exorta quando diz "Irmãos, se um homem chegar a ser surpreendido em algum delito, vós que sois espirituais corrigi o tal com espírito de mansidão; e olha por ti mesmo, para que também tu não sejas tentado.”

Bom seria se fossemos prudentes a todo tempo e ao invés de se auto-exaltar em dizer que somos espirituais, disséssemos que pela graça de Deus é que estamos de pé, que somos extremamente dependente dEle, que somos carentes dEle e da sua misericórdia. Mas para que isso aconteça precisamos ser humildes e reconhecer diante de Deus as nossas fraquezas. Precisamos de uma fé que não manipula. Muitas vezes, temos este comportamento por simplesmente querermos reconhecimento, e esta atitude vem de forma sutil, quando percebemos é tardio.

Por que ensinamos fé para as pessoas? Porque é uma atitude que o Senhor gera em nós, assim como a graça. Em Efésios 2:8 “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus”. Este é um dos propósitos do Senhor nesta terra, pregarmos as boas novas, a fé em Cristo Jesus, a salvação pela graça de Deus.

Toda glória seja dada somente a Ele. Veja novamente a palavra de Deus nos exortando e ensinando em Gálatas 6:14 “Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo.”

Somos encorajados a nos esvaziarmos de uma religião de méritos e conquistas. Na verdade não temos do que nos gabar. Jesus disse em Marcos 8:34 “Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz, e siga-me.” Esta é a nossa vocação. Em outras palavras estamos dizendo, Senhor seja feita a tua vontade e não a minha.

Nossa fé é para seguirmos os caminhos de Jesus, e este foi servo, não um Deus triunfante. Ele foi cordeiro e servo e é o nosso exemplo.

No amor de Cristo,

Maurício Arruda

Soli Deo Glória

11/03/2010

Todo o poder em Jesus

Em face de testemunhos dos milagres de todos os tipos que escutamos e presenciamos de Jesus, é provável que alguém possa pensar: “Puxa, será mesmo que Jesus ainda faz milagres?”, “Será que uma pessoa pode ter a sua vida transformada por intervenção divina?”. A Palavra de Deus tem as respostas.

O Evangelho de Mateus relata um episódio em que Cristo, depois de ter morrido e ressuscitado ao terceiro dia, aparece, ressurreto, aos seus seguidores para lhes orientar com relação ao que deveriam fazer a partir de então e lhes revela algo sobre a sua própria missão. Ele lhes mostra o que aconteceu após a sua morte e que significado a cruz teve para ele.

Para muitos a cruz foi um martírio para Jesus, o fim da história de um homem bom, que implantou a filosofia da bondade e do amor e marcou a história da humanidade, mas sofreu as conseqüências de seus atos.

A Bíblia, no entanto, faz uma afirmação contrária. De acordo com o versículo 18 do capítulo 28 do livro de Mateus, Jesus declara que lhe foi dado “todo o poder no céu e na terra” e instrui os seus discípulos, nos dois versículos seguintes, dizendo: “Ide, ensinai as nações, batizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ensinando-as a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado, porque eu estarei convosco todos os dias até a consumação dos séculos” (v. 19, 20).

Por suas palavras, vemos, assim, que a cruz não apenas era a ambição secreta de Jesus, como o meio que lhe possibilitou a conquista de todo o poder espiritual existente. Por meio do sacrifício vicário, quando o seu sangue foi derramado, Jesus comprou o direito de ressuscitar os homens espiritualmente, abençoá-los e transformá-los.

Uma vez que o pecado cava um abismo entre o homem e Deus, Jesus veio para se fazer de ponte, proporcionando àqueles que creem nele um meio de se achegar ao Pai, tendo seus pecados perdoados e sua vida restaurada para uma nova comunhão com ele.

Há algo de muito sério nisso, a tal ponto, que Jesus denomina “novo nascimento” a experiência de um encontro legítimo com ele e os benefícios de sua verdade e libertação. E quando ele afirma que todo o poder lhe foi dado, quer dizer que não existe principado, potestade, entidade, bruxaria, magia, feitiço, encantamento, nada nesta terra que sobreponha o seu poder.

O novo nascimento se dá por meio da fé. Por meio dela você pode ser alcançado, curado e transformado, pois nada é impossível ao que crê. Se você crê em Deus e no sacrifício de Jesus Cristo, portanto, uma fonte inesgotável de poder poderá ser liberada para a sua vida. E você poderá ver, com os seus próprios olhos, o milagre acontecer.

Em Cristo,

Ap. Rina

07/03/2010

Frases Malditas, Atitudes e Jesus

Muitas pessoas levam uma vida frustrada por terem sido vítimas de frases malditas, ou ações equivocadas de outras pessoas, que influenciam a vida e formação de personalidade. Podemos citar alguns exemplos: Pais que incentivam filhos ainda criança à serem precoces, impondo- lhes responsabilidades fora de hora, ou até mesmo por excessos na educação negando-lhes tudo o que uma criança deveria ter enquanto crianças.

Em nossos arraias, quem ainda não viu ou ouviu falar de crianças pregando?! Não devemos roubar a infância da criança. Existem ainda as frases malditas a exemplo de "você não vai dar em nada", "você não é capaz", entre tantas outras. Se o filho nasce homem os pais dizem "queria mulher", etc.

Por que Jesus lava os pés de Judas se sabia que seria traído? Resposta simples, porque Ele via o melhor de Judas. Jesus via o melhor em gente como Pilatos, Herodes, pois Ele disse a Deus "Perdoa-os, pois eles não sabem o que fazem" (Lucas 23:34). Jesus via o nosso melhor. A coisa mais linda do Evangelho é que Deus aposta nos que não são.

Nós muitas vezes, valorizamos o que Deus não valoriza. Aparência, cultura, talentos deste século, intelectos, Deus não olha para nenhuma destas coisas(1 Samuel 16:7). O projeto de Deus desde o início era o relacionamento. Quando Jesus chamou os 12, chamou-os para serem amigos dele. Que nossa oração possa ser esta, para que o nosso caráter seja parecido com o de Cristo.

Que Deus nos abençoe.

NEle, que era, que é e sempre será nosso exemplo.

Glórias, pois, a Ele!

Maurício Arruda
 

Blogger news

Blogroll

About